quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Pelos bares do Bom Fim...

O Bom Fim teve muitos bares que marcaram a noite porto alegrense e o próprio bairro. Na década de 70, na esquina maldita, havia o Copa 70, o Marius, o Estudantil e o Alaska, bares estes frequentados por estudantes e militantes políticos, em sua maioria. Já na década de 80, com a transição da boemia para o “baixo bom fim”, que ficava entre a Rua Felipe Camarão e a Rua General João Teles, abriram inúmeros bares que tinham, em cada um deles, diferentes tipos de frequentadores. Era a época das tribos. Existiam os punks, os hippies, os darks, os headbangers, os skaters, os new waves, os heavy metals.


O mapa dos bares que fizeram história no bairro Bom Fim

Lola
Ficava na Avenida Osvaldo Aranha pertinho da esquina com a João Teles. De tarde era uma lancheria e de noite virara um agitado bar. Seus maiores frequentadores eram os punks. Era o lugar com cerveja mais barata dos bares do Bom Fim daquela época.

Lancheria Lola

Ocidente
Um dos poucos sobreviventes da década de 80. O Ocidente, na época, era frequentado pela galera do teatro. Rolava muitas peças de teatro e festas com música brasileira. O bar Ocidente, como afirma o dono Fiapo Barth, “entrou para a noite com a ideia de montar uma agenda noturna na cidade”, coisa que antes não acontecia. As noites eram sempre iguais. Para mudar isso a cada dia da semana havia alguma atração, peça de teatro ou show rolando no bar. No início o Ocidente era para poucos, a entrada não era para qualquer um, muitos contam que os punks muitas vezes entravam pela janela. O bar Ocidente continua aberto e virou patrimônio da cidade, sendo frequentado hoje em dia pelos mais variados grupos.

O Bar Ocidente na década de 80

Bocaccio
O bar Bocaccio abriu em 1985 e ficava embaixo do bar Ocidente. Chamava muito a atenção, pois ficava passando vídeos em VHS do The Cure, Stones entre outros. A maioria dos frequentadores eram os darks, e new waves. Era um barzinho pequeno, mas sua decoração agradava muito quem o frequentava.

Bar João
O bar do João virou um clássico no Bom Fim. Era um extenso bar com várias prateleiras recheadas de cachaças, algumas bem peculiares como a de tijolo ou a de morcego. No fundo tinha algumas mesas de sinuca profissional e bem no meio um palco que rolava sempre a mesma banda. Era muito frequentado pela galera que curtia um bom metal. O mais engraçado é que de manhã e a tarde o bar era frequentado por velhinhos judeus que ali se reuniam para conversar sobre o bairro e o mundo, tomando seu cafezinho matinal. O Bar João fechou nos anos 90 deixando muita saudade.


As famosas cachaças do bar João

Lancheria Redenção
Ficava na Osvaldo ao lado do Bar João. Poucas pessoas comentam sobre ele e, apesar de não ser um dos nomes mais famosos, era frequentado por todas as tribos. Um lugar mais modesto.

Lancheria do Parque
A famosa e resistente Lancheria do Parque continua aberta e é sucesso até hoje. Antigamente era frequentada por políticos e intelectuais, que ali debatiam e bebiam muita cerveja. De dia a população do Bom Fim passava ali para comer um lanche, uma batida, um suco bem gelado e natural ou almoçar. A Lancheria sempre teve esse viés de ser um local de alimentação, um restaurante, mesmo que a noite na década de 80 rolava muita bebida e cigarros, no final todo mundo acabava comendo alguma coisa e voltava pra casa de barriga cheia!

A Lancheria do Parque hoje

Fedor
O Fedor é um dos bares mais antigos dos citados. Seu fim foi trágico, acabou incendiando, muitos dizem que foi uma empada que explodiu! O Fedor, como o nome já diz, era realmente um lugar sujo e fedorento, mas que nunca gostou de um belo pé sujo?! No início fora frequentado pelos judeus do bairro e logo depois, todas as tribos davam uma passadinha nele ou no início ou no final da noite. Era o lugar da época que nunca fechava.

Luar Luar
Era o bar que ficava no mercado do Bom Fim. Era um bar bem grande que enchia mais aos domingos. A galera ia lá depois de um belo passeio na redenção para curtir aquele final de tarde. Seus frequentadores vinham de todos os bairros de POA e aproveitam para tomar aquela ceva no seu dia de folga.

Escaler
O Escaler, outro bar que ficou famoso na época, era um bar pequeno, mas que tinha um palco onde rolava muitos shows das bandas que despontavam na década de 80. Ficava no mercado Bom Fim virado para a redenção, lugar especial para todo o Porto Alegrense. Ali se tinha liberdade para fumar um e escutar um som sem ser incomodado. Seus frequentadores eram os hippies, punks, e todas as demais, já que ali rolavam todas as bandas da época.

O Escaler nos anos 80

São estes os bares que marcaram o Bom Fim da década de 80, cada um com a sua história, cada um com a sua importância. E foram neles que foi surgindo tudo o que ia rolando neste momento, uma nova banda, um novo grupo, um novo filme, uma nova peça de teatro, uma nova identidade. Hoje em dia o Bom Fim mudou mas continua com esta característica: um bairro que é reduto de novas ideias e fonte de inspiração de novos projetos. 


7 comentários:

  1. O Vermelho 23 - bar de jazz e blues na Bento Figueiredo. Uma linda casa antiga, um Pub no Bom Fim. Muitas bandas de blues e grandes músicos de jazz tocaram ali. A casa pegou fogo em 1987, mas o dono do local, o Zé Maria restaurou e, o Pub seguiu fazendo shows, todas as sextas e sábado durante os anos de 1990 e 2000.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa matéria, mas acho que não estão bem informados a respeito do bar Redenção, houve um tempo, inclusive, que existiu uma danceteria lá dentro do bar q lotava sempre, mas infelizmente a prefeitura acabou fechando por causa do barulho. Mas é isso aí, valeu!

    ResponderExcluir
  3. O Lola era o melhor lugar de todos, ceva barata e uma gurizada maneira. O Redenção tinha uma danceteria lá, mas atraia muita gentalha, maloquerada mesmo.

    A real é que o Bom Fim morreu porque fez tanto sucesso em uma determinada época que atraiu um número muito grande de pessoas, grande mesmo. E na finalera da década de 90, começaram a noticiar sobre arrastões no Rio de Janeiro e o Bom Fim sofreu com essa realidade. Era coisa de cinema, a galera, os frequentadores mesmo, de todas as tribos invadiam os bares pra escapar de maloqueiros e vileiros que vinham em bando e agrediam e roubavam quem estava na frente, roubavam o que pudiam, boné, camiseta rasgada dos Sex Pistols, um pé de tênis. Como a repressão da época era forte, a polícia baixou o cassete em todo mundo, mas em todo mundo mesmo... então a galera começou a vazar da Osvaldo e ir em direção ao Nazário na Mariante, que não durou um ano.

    Sem a Osvaldo uma raça ficou órfã na noite. Foram para no Bar lider na Barros Cassal, mas nenhum pico traz a magia emblemática da Osvaldo pois nehum lugar conseguiu ser underground e foreground ao mesmo tempo... durante um período o bairro acomodou debaixo de suas marquises e butecos mal-cheirosos todo tipo de pessoa, punks mal encarados e headbangers/metaleiros arruaceiros tanto uns quanto outros brigões, mas sempre se respeitavam, hippies, harecrishinas, skatistas, patricinhas, reggaeros... Nem a Cidade Baixa consegue ser melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos sabemos que judeus como vc liquidaram com a noite no Bom Fim. Que papo é esse de chinelo, vai se fudar judeu filho da puta vcs com Isaac aquele vereador liquidou o bairro boêmio. Fizeram o que estão faendo na Palestina dizimando gente. Vcs não valem porra nemhuma.
      Agora vem aqui culpar este ou aquele. Vai se fuder bundinha.

      Excluir
    2. Olha só... O chupa rolas sabe ler... Enquanto vc está aqui lendo a mamãe e a namors tão mamando a rola do vizinho seu anarquistazinho de apartamento. Não sabe ler??! Eu acho que não. Nunca frequentou a Osvaldo, só ia lá quando os machos levavam. Vai mamar muleque, vai ter aula de português pois tu não sabe entender o que está lendo. Quantas vezes precisou reiniciar essa leitura? Ah só pra te esclarecer uma coisa seu imbecil de merda Guimarães é um nome luso-judaico caso vc não saiba. Eu não sou judeu, mas assim como o tal do Isaac, eu poderia com muita volúpia, arrombar vc já que a mama é um buraco de caverna.

      Excluir
    3. a mania do populismo exagerado foi o que acabou com Bom Fim basta parar e pensar a maloqueirada que era cabeça fechada ia pra lá pra assaltar não ia pra curtir ... a magia da Oswaldo era "transgredir" sem cometer crimes curtição mesmo ficar numa "nice" ouvir ou fazer um som e tomar "uns goró" "uns leite de onça" pagando com fichinha VT roxa ... boas recordações

      Excluir
  4. Eu ia, quinta, sexta, sábado e domingo, que tempo bom, muito leite de onça,paredões da policia, gurias lindas, que privilégio ter vivido essa época, vi cada cena naquele lugar que nem o diabo gostaria de ver, graças a Deus sobrevivi

    ResponderExcluir